Error message

  • Notice: Undefined index: zen in drupal_theme_initialize() (line 100 of /home/s000264/public_html/includes/theme.inc).
  • Notice: Trying to get property of non-object in _drupal_theme_initialize() (line 145 of /home/s000264/public_html/includes/theme.inc).
  • Notice: Trying to get property of non-object in _theme_load_registry() (line 334 of /home/s000264/public_html/includes/theme.inc).
  • Notice: Undefined index: zen in theme_get_setting() (line 1414 of /home/s000264/public_html/includes/theme.inc).

internacional

Maré Branca em Madrid: milhares contra a privatização da saúde

17-12-2012

Uma «maré branca» de trabalhadores e utentes dos serviços de saúde pública de Madrid encheu ontem as ruas da capital para protestar contra o plano de restruturação do governo regional da Comunidad de Madrid, que prevê privatizar 6 hospitais e 27 centros de saúde. É a quarta manifestação em um mês de luta, que já conta com dezenas de hospitais ocupados e uma greve de 48 horas.

Deputado do Syriza atacado à saída de um estádio

16-12-2012

Na manhã deste domingo, Dimitris Stratoulis, deputado do Syriza no parlamento grego, foi violentamente atacado por três homens que afirmaram pertencer ao Chrysi Avgi (Aurora Dourada, o partido neonazi grego com representação parlamentar).

Estivadores europeus em luta contra desregulamentação furtiva do trabalho

16-12-2012

O Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul vai prolongar até 7 de Janeiro a greve parcial, acrescida de recusa de qualquer serviço que tenha como origem ou destino o porto de Leixões, e pedir a declaração de inconstitucionalidade da nova lei para o trabalho portuário. Os representantes dos trabalhadores disseram no Parlamento que o diploma viola a constituição e a lei laboral.

Grécia: a Saúde está doente

10-12-2012

A situação do sistema de saúde grego começou a piorar de dia para dia desde o primeiro pedido de resgate feito pelo país à Troika, em 2010. Nos últimos meses, todos os direitos conquistados pelo povo grego no acesso à saúde pública e gratuita foram alvo de um enorme retrocesso. O sistema de saúde deixou de ter em conta as necessidades dos cidadãos mais desprotegidos. Desempregados e imigrantes deixaram de ter direito aos cuidados de saúde. Os médicos viram o seu salário reduzido em 40% e prestam agora horas extraordinárias não pagas ou trabalham voluntariamente acorrendo aos mais necessitados.

Crise social alimenta clima de xenofobia na Grécia

09-12-2012

Filhos de imigrantes no campo de detenção em Filakio [fonte: Nikolas Giakoumidis]A incessante austeridade e a consequente falência sociopolítica do sistema grego têm traçado o ambiente propício para o ressurgimento de ideologias nacionalistas de extrema-direita. Nas ruas, o medo impera entre imigrantes perseguidos por membros do Aurora Dourada; no parlamento, a ineficácia do debate público abre espaço para a ascensão do partido neonazi, que conta já com dezoito assentos parlamentares e uma intenção de voto do eleitorado estimada, actualmente, nos 14%.

Contribuintes irlandeses contra o novo imposto imobiliário

04-12-2012

A luta dos contribuintes contra o novo imposto imobiliário, que se arrasta desde o início de 2012 e teve o condão de unir parte significativa do povo irlandês contra as medidas de austeridade, terá nova vaga já no dia 5 de Dezembro, com uma marcha de protesto em direcção à assembleia.

Trabalhadores ocupam 6 hospitais de Madrid contra privatização

07-11-2012

Centenas de pessoas manifestaram-se ontem, 6 de Novembro 2012, em apoio aos trabalhadores que ocupam o Hospital Universitário de La Princesa, desde o passado dia 2 de Novembro e indefinidamente, contra a sua privatização anunciada pelo Governo regional de Madrid. Também os outros 5 hospitais de encontram ocupados: o Hospital Infanta Leonor, desde 5 de Novembro, o Hospital del Henares, desde 6 de Novembro, e a partir de hoje, o Hospital Carlos III de Madrid, o Hospital del Tajo (Aranjuez) e o Hospital del Sureste (Arganda). Estas ocupações têm como objectivo que o Governo regional faça marcha atrás nas medidas que pretendem privatizar seis dos hospitais da Comunidade de Madrid. A organização sindical UGT acusa o Governo regional de pretender "fazer negócio com a saúde dos madrilenhos e com a precariedade das condições laborais dos trabalhadores".

Caixa Catalunya de Barcelona ocupada com protesto contra despejos

05-11-2012

Mais de uma centena de pessoas ocuparam esta manhã, pelas 11 horas, as instalações da Fundação Catalunya Caixa em Barcelona para protestar contra os despejos de habitações. A Plataforma de Afectados pela Hipoteca, que organiza a manifestação, alega que a empresa não quer negociar com os clientes que são incapazes de satisfazer pagamentos de hipotecas.Os ocupantes exigem ser ouvidos e não sairão sem serem recebidos pelo presidente da organização. Do lado de fora do edifício encontram também muitos manifestantes apoiando os que ficaram lá dentro. Actualização: 3 horas depois, os ocupantes obtiveram um compromisso por parte da empresa de que avaliará situação das pessoas ameaçadas de despejo, cuja exigência é: que a entrega da casa salde a dívida. Vale a pena lutar! 

Trabalhadores ocupam hospital em Madrid contra privatização

02-11-2012

Os trabalhadores do Hospital Universitário de La Princesa, em Madrid, encerraram-se hoje, sexta-feira 2 de Novembro, dentro do hospital para protestar contra a decisão do governo regional (Comunidad de Madrid) de transformar o hospital num centro de alta especialização geriátrica. Os trabalhadores cortaram o trânsito na rua, empunhando cartazes onde se lia «O hospital não está à venda». A ocupação começou às 11 horas da manhã e não tem final previsto. O Hospital de La Princesa tem mais de cem anos de história e conta com um total de 2.500 trabalhadores.  Os trabalhadores acusam o governo e a administração de falta de transparência. Ignacio González, presidente da Comunidad de Madrid, revelou à imprensa, dois dias atrás, que não vai ficar nem um hospital sob gestão pública. 

Islândia: referendo aprova nova Constituição feita por cidadãos

22-10-2012

Os eleitores islandeses foram chamados a votar em referendo 6 perguntas sobre a nova Constituição do país, escrita por 25 cidadãos, num exercício de democracia directa sem precedentes. A afluência às urnas, no 21 de Outubro, foi de 48,5% e todas as seis perguntas inscritas tiveram resposta afirmativa por larga maioria. A votação foi esmagadora em relação aos recursos naturais. 83% dos votantes declarou-se contra a sua privatização. Apesar de não ser vinculativo, os defensores da mudança esperam que os políticos não ignorem este referendo e que o parlamento reveja a constituição.  Após a crise que afectou em 2008 o sector bancário, os islandeses escolheram por duas vezes em referendo não pagar as dívidas aos credores estrangeiros. O primeiro-ministro responsável pela crise foi julgado. 

Pages

Subscribe to RSS - internacional