Comissão de Trabalhadores da agência Lusa marca vigília no dia 8

Comissão de Trabalhadores da agência Lusa marca vigília no dia 8

05-10-2012

A Comissão de Trabalhadores da Lusa foi recebida, a 3 de Outubro 2012, por Miguel Relvas, ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, que confirmou ser intenção do Governo cortar um montante de 30% no contrato-programa para 2013 entre o Estado e a agência, que será de 10,8 milhões de euros. Face a esta decisão ministerial, a Comissão de Trabalhadores decidiu solicitar aos sindicatos «a emissão imediata de um pré-aviso de greve por tempo indeterminado».

O contrato anterior previa um financiamento anual de 15 milhões de euros e a administração da agência havia apresentado, no início do ano, um plano de reestruturação que previa uma redução de 15% no financiamento da Lusa, com a administração a garantir à CT que não haveria lugar a despedimentos.

Os trabalhadores da agência foram informados hoje numa reunião plenária das intenções do Governo e reagiram rejeitando «liminarmente qualquer redução arbitrária das verbas destinadas a compensar o contrato programa do Estado com a Lusa, numa lógica exclusivamente economicista», exigindo ainda que «as verbas para a agência apenas sejam definidas em função do pagamento dos custos em que a empresa incorre pelo serviço público que lhe cabe assegurar». O plenário adoptou esta decisão por unanimidade e mandatou o Sindicato dos Jornalistas, a Comissão de Trabalhadores e o Conselho de Redacção para «solicitarem audiências com carácter de urgência ao Presidente da República, à presidente da Assembleia da República, ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, ao ministro das Finanças, à Comissão parlamentar de Ética, Sociedade e Comunicação e aos grupos parlamentares para lhes expor as posições dos trabalhadores da Lusa».

No ano passado, a agência apresentou lucros de 2,7 milhões de euros, mas foi impedida pela tutela de distribuir dividendo. Desse valor, acabou por provisionar cerca de dois milhões de euros. Os maiores accionistas da Lusa são o Estado (50,14%), a Controlinveste (23,36 %) e a Impresa (22,35%).

Ficou marcada para segunda-feira, 8 de Outubro, «uma vigília à porta da sede da agência, convidando a comunicação social, nacional e estrangeira a estar presente». Ficou tambem agendado novo plenário de trabalhadores no próximo dia 9, a realizar no piso em que se encontra a funcionar a administração da empresa, «para fazer o ponto da situação e marcar datas da greve dos trabalhadores da Lusa».

Fontes
Editores: 
Este artigo contém informação proveniente de meios de comunicação comerciais; a sua fiabilidade não é garantida.
Secção: 
Etiquetas: